Início   >  Produtos Específicos  >  Um dia, vai sofrer...
18-06-2018

Um dia, vai sofrer de presbiacúsia, como toda a gente!

Presbiacúsia Investigadores da Universidade de Harvard desenvolveram uma nova abordagem para reparar as células danificadas do ouvido. Até à data a ciência esbarrava numa parede: no interior do ouvido circula um fluido que limpa permanentemente os medicamentos passíveis de actuar contra as disfunções.


Mas a esperança renasce para todos os potenciais maus ouvintes que somos dado que os cientistas criaram uma molécula capaz de resistir ao fluxo deste líquido imitando uma proteína que tem a capacidade de regenerar as sinapses – as regiões de contacto entre dois neurónios que são indispensáveis para a percepção e a transmissão dos sons. Infelizmente, o estudo foi realizado com células animais in vitro e será ainda preciso esperar anos para saber se um tal tratamento se pode adaptar às condições de vida e ao ser humano. Enquanto esperamos, isso não quer dizer que não pode fazer nada; existem formas de reduzir os riscos e a intensidade da perda auditiva futura.


Actualmente, como prevenir a perda auditiva?

Estima-se que cerca de 70% das pessoas com mais de 70 anos sofrerão perdas auditivas significativas ao longo da vida.


É o resultado de uma degradação inevitável do sistema auditivo. Com o tempo, as 30 000 células ciliadas do ouvido interno (que detectam os sons) desaparecem de forma irreversível ou deixam de funcionar. Este fenómeno, que é semelhante à presbitia, surge após os 50 anos e afecta sobretudo as frequências mais agudas. E é compreensível pois são as células ciliadas mais sofisticadas que codificam este tipo de frequência.


Não podemos fazer grande coisa para impedir o seu surgimento, mas podemos agir de forma a reduzir a sua intensidade minimizando a formação de radicais livres (1-2). Este radicais capazes de alterar as células do ouvido são gerados por inúmeros factores como o tabaco (3), o excesso de peso, a má alimentação, os medicamentos ototóxicos e, sobretudo, o ruído, quer ele seja crónico ou ocasional. São inúmeros os estudos que mostram que os ruídos excessivos alteram de forma irreversível e mecânica as células ciliadas da cóclea. A este propósito, os registos médicos do exército americano mostram que perto de 33% dos militares sofreram de “défice auditivo permanente induzido pelo ruído” (NIHL) ao voltar da primeira guerra mundial.


Se o ruído for suficientemente forte, os radicais livres provocam a morte de várias células e originam uma reacção de vasoconstrição (estreitamento dos vasos sanguíneos) no ouvido, o que contribui para uma nova formação de radicais livres (4-7), como o que acontece durante um ataque cardíaco.

Para combater este fenómeno, o organismo recorre a antioxidantes. Tem capacidade de os sintetizar, mas retira da alimentação compostos que ajudam ao seu fabrico e antioxidantes exógenos já formados.


É uma das teorias que explica a acção protectora do magnésio (8) relativamente às perdas de audição, em particular as ligadas aos ruídos (9). No ouvido, o magnésio aumentaria o índice de produção de uma poderosa enzima antioxidante, a superóxido dismutase (10). E não é tudo, dado que ele propiciaria também a vasodilatação, limitando assim os danos infligidos na cóclea pelos radicais livres e travaria a entrada excessiva de cálcio nas células, um fenómeno que se verifica na sequência do traumatismo acústico e que leva à morte das células.

Vários estudos mostram que os antioxidantes exógenos, nomeadamente o β-caroteno e a vitamina C, poderiam ter efeitos sinérgicos com o magnésio, atenuando a perigosidade dos radicais livres no ouvido (11-15).


Presbyacousie


Se estiver exposto(a) regularmente a ruídos fortes, pode ter interesse em tomar um suplemento de magnésio (via OptiMag ou uma fórmula multivitaminada que o contenha, como o célebre Daily 3) ou em aumentar o consumo de alimentos muito ricos em magnésio: a soja, o chocolate, os frutos de casca rija (castanha-do-maranhão, amêndoas, castanha de caju, pinhões…), os peixes e os legumes verdes (por ex. espinafres e alcachofra).

Os sintomas que devem soar o alerta:


  • Uma redução da compreensão do que se ouve em meios mais barulhentos (situações de grupo).
  • Acufenos recorrentes.
  • Uma sensação persistente de que o interlocutor está a falar entre dentes.
  • Uma obrigação de pedir para repetir o que foi dito.

Se estes sintomas ainda não tiverem surgido, ainda está a tempo de pensar na prevenção. Se já tiver aparecido pelo menos um dos sintomas, então não tem um segundo a perder: quanto mais tempo esperar antes de experimentar uma ajuda auditiva, mais os seus circuitos neuronais se desabituam dos ruídos complexos. Quando concordar em usar um, estes ruídos que irá voltar a ouvir irão parecer-lhe insuportáveis…


Não se esqueça também de que um estudo recente mostrou uma ligação entre a perda auditiva devida à idade e um declínio cognitivo mais rápido.


O estudo principal do artigo:


Judith S. Kempfle, Kim Nguyen, Christine Hamadani, Nicholas Koen, Albert S. Edge, Boris A. Kashemirov, David H. Jung, Charles E. McKenna. Bisphosphonate-Linked TrkB Agonist: Cochlea-Targeted Delivery of a Neurotrophic Agent as a Strategy for the Treatment of Hearing Loss. Bioconjugate Chemistry, 2018; DOI: 10.1021/acs.bioconjchem.8b00022

Referências

  1. Le Prell CG, Yamashita D, Minami SB, Yamasoba T, Miller JM. Mechanisms of noise-induced hearing loss indicate multiple methods of prevention. Hear Res 2007;226:22–43.
  2. Henderson D, Bielefeld EC, Harris KC, Hu BH. The role of oxidative stress in noise-induced hearing loss. Ear Hear 2006;27:1–19.
  3. Smoking, Smoking Cessation, and the Risk of Hearing Loss: Japan Epidemiology Collaboration on Occupational Health Study. Nicotine & Tobacco Research, 2018; DOI: 10.1093/ntr/nty026
  4. Evans P, Halliwell B. Free radicals and hearing: cause, consequence, and criteria. Ann N Y Acad Sci 1999;884:19–40
  5. Le Prell CG, Yamashita D, Minami SB, Yamasoba T, Miller JM. Mechanisms of noise-induced hearing loss indicate multiple methods of prevention. Hear Res 2007;226:22–43.
  6. Seidman MD. Effects of dietary restriction and antioxidants on Presbyacusis. Laryngoscope2000;110:727–38.
  7. Darrat I, Ahmad N, Seidman K, Seidman MD. Auditory research involving antioxidants. Curr Opin Otolaryngol Head Neck Surg 2007;15:358–63.
  8. Choi YH, Miller JM et al. Antioxidant vitamins and magnesium and the risk of hearing loss in the US general population, Am J Clin Nutr. 2014 Jan; 99(1): 148–155.
  9. Zhonghua Lao Dong Wei Sheng Zhi Ye Bing Za Zhi. [Association between serum magnesium ion level and risk of noise-induced hearing loss].2016 Dec 20;34(12):884-888. doi: 10.3760/cma.j.issn.1001-9391.2016.12.002.
  10. Seidman MD. Effects of dietary restriction and antioxidants on Presbyacusis. Laryngoscope2000;110:727–38.
  11. Biesalski HK. Vitamin A and the ear. Review of the literature. Z Ernahrungswiss 1984;23:104–12.
  12. McFadden SL, Woo JM, Michalak N, Ding D. Dietary vitamin C supplementation reduces noise-induced hearing loss in guinea pigs. Hear Res 2005;202:200–8
  13. Heman-Ackah SE, Juhn SK, Huang TC, Wiedmann TS. A combination antioxidant therapy prevents age-related hearing loss in C57BL/6 mice. Otolaryngol Head Neck Surg 2010;143:429–34.
  14. Hou F, Wang S, Zhai S, Hu Y, Yang W, He L. Effects of α-tocopherol on noise-induced hearing loss in guinea pigs. Hear Res 2003;179:1–8.
  15. Schafer FQ, Wang HP, Kelley EE, Cueno KL, Martin SM, Buettner GR. Comparing β-carotene, vitamin E and nitric oxide as membrane antioxidants. Biol Chem 2002;383:671–81.
Encomendar os nutrientes evocados neste artigo
OptiMag

8 formas sinérgicas de magnésio para uma biodisponibilidade ideal
Nova fórmula mais facilmente assimilável e mais bem tolerada

www.supersmart.com
Daily 3®

Fórmula optimizada segundo as mais recentes investigações científicas.
43 vitaminas e nutrientes antioxidantes.

www.supersmart.com
Descubra também
18-01-2017
O equilíbrio ácido-base do organismo
O equilíbrio ácido-base do organismo é essencial para se ser saudável. Muitas reacções enzimáticas dependem da manutenção de um estreito limite do pH dos meios...
Saber mais

Gratuito

Obrigado pela sua visita; antes de partir

INSCREVA-SE NO
Club SuperSmart
E beneficie
de vantagens exclusivas:
  • Gratuito: a publicação científica semanal "Nutranews"
  • Promoções exclusivas para membros do clube
> Continuar